Tuesday, August 25, 2009

Registo incompleto de uma memória ainda por viver.

Não sei como é que me encontraste aqui, (...), visto que há mais que uma (...) nesta escola.
Mas ainda bem que me encontraste, pois vou aproveitar para colocar um (...)nesta palhaçada.
Tu sabes o que se diz ai de mim. Até deves saber (...) que eu não sei. Saberes o que sabes não te dá o direito de pensar que (...) a minha dor. Dizes que também já (...) , e eu acredito em ti. Mas o que sofreste não está no mesmo nível que a minha dor. Todos temos (...) de adolescente, e é um facto provado que os adolescentes são o tipo de pessoa mais (...) que existe.
A diferença entre nós, minha princesa, é que tu aprendeste ao veres, enquanto eu aprendi por ser o alvo. Grande m(...), não é?
Agora, antes que te ponhas a (...) e confortar-me, ouve-me até ao fim.
Eu sempre te considerei a minha melhor (...), sempre te achei diferente. Eras um caso a parte. Resumindo, não eras (...) como o resto das (...) de merda que andam por ai.
Mas só agora percebi uma coisa.
Eu confiava em ti cegamente. Fiz tanta (...), defendi-te de tantas (...), dei-te coisas... Só faltava ter de (...) alguém que te andasse a (...) o juízo.
Essa minha confiança em ti é um perigo. Pois a pessoa que mais confiamos é a que mais baixamos a guarda.Logo, é maior o risco de me dares uma (...) nas costas. E eu já tenho as costas cheias de facas de outros.
Por isso, meu anjo, de que vale andar a chuva com um guarda-chuva roto, quando posso ficar debaixo de uma (...)? Uma protecção chamada "Solidão". De certeza que ninguém me f(...) assim.
Prefiro estar sozinho do que ter de andar a olhar por (...) do meu ombro a vida toda."Mais vale só que mal acompanhado."
O silencio e a solidão não me traem.

E isso é uma certeza de quem já em ti confiou e (...).

(...)/09/2009


2 comments:

x Inês ( ? ) said...

Também podias ter avisado João . Desculpa senão te tenho respondido às mensagens mas voltei recentemente dos Algarves e a minha mãe está quase a voltar ao trabalho portanto andamos numa de curtir a família . O texto está espectacular , adorei as omissões e assim , torna-o original e único . Adorei mesmo . Porém acho que a solidão não resolve nada . Há que ter força e coragem para estar acompanhado . Confio em ti , continua a escrever *

L. said...

O texto está lindo .
Adorei o blog. (: