Sunday, September 20, 2009

Bloqueio de um Escritor

Sento-me na minha mesa, maquina de escrever á minha frente, á espera da inspiração. Que historia irei eu agora contar? Ajusto a folha da maquina e começo:
"A historia do cavaleiro valente que..."
Arranco a folha da maquina. Não, isto de nada serve.
Ponho outra, ajusto-a e recomeço:
"O conto do rapaz que sofria de amores e..."
Arranco a folha outra vez. Nada de novo, isto já foi feito tanta vez.
O desespero começa a assentar. Não há nada mais doloroso do que um bloqueio de escrita. A sensação de estar preso ao ar livre, sentir a respiração ofegante apesar de ela estar normal quando se tenta pensar, a fúria de querer saber quem colocou uma rolha nos meus pensamentos. E para quem vive a escrita como eu, é como se o cérebro tivesse desligado, desmaiado, letárgico. A agonia de querer desabafar com a folha e não conseguir.
Há quem faça de tudo para passar este estado. Cabeçadas na parede, correr, ouvir musica, cantar... Tudo óptimas soluções. No entanto, comigo não funcionam. Não sei porquê. Nem quero saber. São os pequenos mistérios da nossa vida que lhe conferem interesse.
Levanto-me e saio para a rua. Não vale a pena forçar de mim o que não vai sair. Dou uma volta. Vejo o que já vi, ouço o que sempre ouvi. E inspiro-me no que sempre me inspirei. Tu.

Tu és a minha inspiração, meu anjo.

1 comment:

x Inês ( ? ) said...

Estes bloqueios dão cabo dos nervos a qualquer um . Encontrei-me em cada palavra do teu texto . Agora é esperar que a Santa Inspiração venha .