Friday, September 11, 2009

O Meu Mundo

Lá vens tu, outra vez, a correr para mim.

De todas as vezes que o fizeste, imagino sempre o que não vai acontecer. O que eu queria que acontecesse. Imagino que me vais pedir conforto, carinho, compreensão, um porto seguro onde possas desabafar os teus desastres em miniatura, um par de braços que sempre estiveram abertos para ti, mas que só agora reparaste, aquele que sempre te apoiou e se dispôs a curar, quando viesses a mim, com o teu coração cicatrizado nas mãos.

Claro que as consequências de sonhar em pleno dia são óbvias. Desde desilusão a depressão, que são coisas que não são novas para mim.

Vens-me pedir ajuda em qualquer coisa trivial. Desde sempre que quero dizer que não, estou farto de ser teu escravo, fartei-me de te dar o que é meu.

Mas nunca consigo.

Não sei se são os teus olhos, brilhantes e doces, ou as tuas bochechas, coradas e fofinhas. Não sei se é o teu cabelo, não muito longo e não muito curto, simplesmente perfeito e lindo, ou os teus lábios tentadores e suaves, que os meus olhos fazem questão de seguir cada movimento.

Mais uma vez, aceito fazer o que queres que eu faça. Ajo inconscientemente, como se o teu pedido fosse a razão da minha existência, a razão de eu estar aqui.

Agora que tens o que queres, vais embora. E eu caio em mim, e fico sem norte. Não sei o que fazer, pois como já não tens ordens para mim, não passo de um corpo vazio, desprovido de uso e função. Podias guardar-me no teu armário até voltares a precisar de mim outra vez.

Claro que, se for eu a precisar da tua ajuda, do teu auxílio, tu não estás disponível para mim. Nas alturas que eu preciso de uma amiga, de uma mão no meu ombro, de um abraço, de uma palavra amigável, tu não podes, pois, aparentemente, estás muito ocupada a respirar ou a andares para longe de mim.

Sempre que isso acontece, penso no refrão de uma musica, que podia servir como letreiro de boas-vindas da minha alma, como a frase definidora da minha vida ou como as palavras a escrever na minha lápide:

Welcome to my world,

Where everyone I ever need

Always ends up leaving me alone.

( Baseado na música "My World" dos Sick Puppies )

1 comment:

x Inês ( ? ) said...

Aqui estou eu , o grande público , ahah . Fantástico , como sempre . Adoro a tua forma de escrever , é viciante . Nunca pares , nunca escondas estas palavras . Ai de ti que apagues este blog -.-