Friday, October 3, 2008

Duvida em Duvida...

Era Verão. Fazia sol na rua. As pessoas passavam felizes pela temperatura amena que o Sol transmitia. As crianças brincavam, felizes, sem preocupações. Espera. Risca isto. Era Inverno. Não na rua, mas dentro do meu coração. Trancado em casa, olhava para o tecto, depois para a cadeira, depois para o chão, e de novo para o tecto. Observava duas moscas, voando lado a lado, por cima do almoço meio comido e do whisky derramado na mesa. Concentrado na sua dança, parecia ver uma telenovela. As moscas transformavam-se em tu e eu. Ontem a noite… Ouço um bater à porta. És tu. “Posso entrar?” dizes tu, naquele teu tom tão feminino mas firme, decidido, resoluto. Eu rio-me. Entrar? No momento que entraste na minha vida, senti aquele sentimento especial. A minha vida deu meia volta. Tudo parecia maravilhoso. E depois, entendi. A noite de ontem chegou. A volta dada no passado arrependeu-se e foi-se embora. A minha vida velha voltou. Voltou, mas de verdade, nunca fugiu. Entrar? Já os americanos diziam “Fool me once, shame on you. Fool me twice, shame on me.” Não vou cair uma segunda vez. Nem pensar. Faças o que fizeres, não te vou deixar entrar na minha vida. Não outra vez. Chegas-te a mim e beijas-me. Docemente, com esse teu jeito. Eu respondo ao teu beijo. Passam-se segundos, minutos, horas, dias, meses… Rompes o beijo. “Posso entrar?” repetes tu, desta vez esperando para ouvir o que vou dizer. “Não…” respondo eu…

Já cá estás dentro…

1 comment:

x Inês ( ? ) said...

Texto fantástico João ,
'tou orgulhosa (:

Beijinhó ,