Friday, October 10, 2008

A Sala

A chuva fustiga as janelas da sala. A fraca luz que a ilumina da-lhe um ar soturno, abandonado, triste. Eu acho apropriado. Peço desculpa, ainda não me apresentei. Sou o dono desta sala. Aqui vive-se uma vida. A minha vida. Ali, ao fundo, está a mesa de tortura. Costumo ir para lá para ser brutalmente espancado por todos os meus amigos e inimigos. Por vezes, faz cócegas. Mesmo ao lado, está o megafone e a churrasqueira. Lá chamam-me todo o tipo de coisas e proferem todo o tipo de insultos, enquanto queimam o meu coração nas escaldantes brasas da tristeza e solidão. Geralmente, sai bem-passado. E logo ali no meio está a televisão, na forma de dois olhos, que me faz ver as coisas mais horríveis e indesejáveis durante horas e horas. A felicidade, por aqui, é como os feriados, e não passa de ausência de dor. Tenho uma vida normal, aparentemente. Passados 8 anos, habituei-me. Bem, tenho de ir. A sala espera por mim. Se cá quiseres voltar quando for a hora da tortura, pergunta por ela.

"Chama-se a minha "Alma""

2 comments:

x Inês ( ? ) said...

Este texto transmite mesmo muita dor . Um período da minha vida foi exactamente assim . Mas eu ultrapassei-o e resolvi-o , a custo . Mas ficam sempre marcas , eu tenho ainda um peqeno 'trauma' . Enfim , beijinhó .

nessita said...

Alguma vez leste "1984" de George Orwell? O teu texto faz recordá-lo porque retrata a perseguição, a angústia e a tristeza de uma forma inacreditavelmente dura. Mas esse é um mundo que não queremos para nós...